Cuide da sua mente !
por Laerte Galesso, designer, professor de artes e diretor artístico da ABRA


Acredito que nunca na história da humanidade houve um culto tão exagerado ao corpo como o momento em que estamos vivendo.
Cuidar do corpo é essencial para manter a saúde e a boa forma. Praticar exercícios físicos, buscar uma alimentação saudável e usar produtos que auxiliem a manter uma aparência mais jovem é salutar para a nossa autoestima.
No entanto, os limites da vaidade há muito foi extrapolado e acabou virando uma grande obsessão para muitas pessoas.
A busca por um corpo “perfeito” tem levado muita gente a cometer verdadeiras atrocidades contra a saúde e o próprio corpo, além de comprometer o orçamento, pois muitos acabam gastando mais do que podem.
É lipoaspiração, plástica, silicone, estética, peeling, remédio para emagrecer, malhação sem acompanhamento e por aí vai. E isso não é só coisa de mulher. Muitos homens, jovens e adultos, estão entrando nessa onda, inclusive, tomando anabolizantes para “acelerar” o crescimento da massa muscular e remédios destinados a homens com dificuldades de ereção, para melhorar o desempenho sexual.
O mais perigoso é que essas pessoas acabam deixando de pensar e de praticar alguma atividade que possa alimentar o espírito, agindo como se o ser humano fosse apenas corpo. Investem toda a sua energia e finanças na aparência física e deixam de “alimentar”, de alguma forma, suas mentes.
Esse exagero com o corpo - inclusive com o apoio das mídias, da indústria de cosméticos e das clínicas de estética, que estão rindo à toa – tem deixado as pessoas vazias de conteúdo.

Veja o que o grande poeta, músico e compositor, Herbert Viana, escreve este assunto:

Vaidade

“Cirurgia de lipoaspiração? Pelo amor de Deus, eu não quero usar nada nem
ninguém, nem falar do que não sei, nem procurar culpados, nem acusar ou
apontar pessoas, mas ninguém está percebendo que toda essa busca insana
pela estética ideal é muito menos lipos e muito mais piração? Uma coisa é
saúde outra é obsessão. O mundo pirou, enlouqueceu. Hoje, Deus é a auto
imagem. Religião é dieta. Fé, só na estética. Ritual é malhação. Amor é
cafona, sinceridade é careta, pudor é ridículo, sentimento é bobagem. Gordura é pecado mortal. Ruga é contravenção. Roubar pode envelhecer, não. Estria é caso de polícia. Celulite é falta de educação. Filho da puta bem sucedido é exemplo de sucesso. A máxima moderna é uma só: pagando bem, que mal tem? A sociedade consumidora, a que tem dinheiro, a que produz, não pensa em mais nada além da imagem, imagem, imagem. Imagem, estética, medidas, beleza. Nada mais importa. Não importam os sentimentos, não importa a cultura, a sabedoria, o relacionamento, a amizade, a ajuda, nada mais importa. Não importa o outro, o coletivo. Jovens não têm mais fé, nem idealismo, nem posição política. Adultos perdem o senso em busca da juventude fabricada. Ok, eu também quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar correr, viver muito, ter uma aparência legal, mas, uma sociedade de adolescentes anoréxicas e bulímicas, de jovens lipoaspirados, turbinados, aos vinte anos não é natural. Não é não pode ser. Que as pessoas discutam o assunto. Que alguém acorde. Que o mundo mude. Que eu me acalme. Que o amor sobreviva. Cuide bem do seu amor, seja ele quem for”.

É claro que ninguém quer ficar pensando em envelhecer. E é importante, manter uma bela aparência física durante toda a nossa vida. Mas, sabemos que a beleza física tem um limite, e devemos estar preparados para aceitar esse limite, mantendo nossa dignidade e bom senso. Rechear nossa vida com atividades que ajudem na descoberta do nosso interior.

Naturalmente, existem os extremos; aquelas pessoas que só pensam no plano espiritual e não cuidam da aparência. Assim como há aqueles que não pensam nem numa coisa nem na outra, mas apenas em contentar o prazer de comer. Isso também não é bom.

Por isso, é importante saber dosar. Cuidar sim da forma física e da aparência. Mas, também buscar alternativas para o seu espírito: ler mais, fazer um curso de história da arte, pintura, desenho, ioga, música, informática, etc. Além de ser muito prazeroso, você aumenta a sua bagagem cultural, melhora suas habilidades manuais e convive com pessoas interessantes e de bem com a vida. Sem contar com o fato de que isso pode ser tornar uma fonte alternativa de renda.

Mas, parece que tem muita gente se esquece de que a nossa vida não tem somente o Plano Físico, mas também o Emocional, o Mental e o Espiritual. E que para se alcançar a grandeza de viver bem é preciso um perfeito equilíbrio entre esses quatro planos.



 

   
Design: Estúdio 196