Artigos

A PINTURA NA 33ª BIENAL DE SÃO PAULO

A PINTURA NA 33ª BIENAL DE SÃO PAULO

Em visita à 33ª Bienal de Artes de São Paulo, no dia 06/10/2018, tive a grata surpresa de ver uma grande quantidade de pinturas, modalidade que nas edições anteriores não teve uma representação tão expressiva, principalmente a pintura figurativa. A mostra tem muita coisa boa entre esculturas, instalações, desenhos, fotografia, vídeos e menos obras que as versões passadas, o que torna menos cansativo para o visitante percorrer os 25.000 m² do prédio da Bienal, projetado por Oscar Niemeyer.

Mesmo assim, uma visita apenas é pouca.
A Bienal deste ano teve a curadoria principal do espanhol Gabriel Pérez-Barreiro, que escolheu sete artista-curadores; dois brasileiros (Sofia Borges e Waltercio Caldas), dois europeus (Mamma Anderson, Suécia e Antonio Ballester, Espanha), dois latinos (Alejandro Cesarco, Uruguai e Claudia Fontes, Argentina) e Wura-Natasha Ogunji, americana que vive na África que, além de suas próprias mostras, organizaram as exposições coletivas.

Meu destaque vai para as pinturas: a paulista Vania Mignone (se pronuncia minhone) apresenta 24 obras recentes, em acrílicos sobre madeira, com colorido bastante intenso e com temática voltada para o pop e o apocalíptico.

Já o goiano Siron Franco traz obras da década de 1980, mostrando a tragédia que ocorreu em Goiânia, em 1987, matando quatro pessoas e causando damos em várias outras.

Vania Mignoni – Brasil (1967) S/ Título – 2017

Siron Franco – Brasil (1947) Segunda Vítima – 1987

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O artista carioca Waltercio Caldas apresenta várias obras entre pintura e esculturas-objetos, com destaque para uma releitura da obra de Mondrian. O espanhol Antonio Ballester, que ocupa o piso térreo, faz um diálogo com o parque e sua instalação traz dois mil cogumelos feitos por crianças de ONGs de São Paulo.

Waltercio Caldas – Brasil (1946 – ) Mondrian em Casa – 2018

 

A mostra, que vai até o dia 09 de dezembro, mescla artistas consagrados do Modernismo brasileiro, como Milton Dacosta, (1915 – 1988), Vicente do Rego Monteiro (1988 – 1970) e Antonio Dias, falecido neste ano, artistas contemporâneos considerados da nova geração, como Sofia Borges (1984 – ), Rafael Carneiro (1985 – ), Ana Prata (1980 – ) e Jennifer Packer (EUA – 1984) e artistas nascidos no século XIX, que tiveram destaque no século XX, como o espanhol Benjamin Palencia (1894 – 1980) o sueco Ernest Josephson (1851 – 1906)
Ao todo são mais de 200 pinturas, com datas bastante variadas, mostrando que Arte Contemporânea não é somente aquela que é feita nos dias de hoje.

O ponto negativo da Mostra fica por conta da péssima colocação das informações sobre as obras, que ficam muito longe das obras, o que dificulta muito, principalmente para quem busca uma associação do autor com a descrição da obra.

Visitas:
ter, qua, sex, dom e feriados: 9h – 19h (entrada até 18h)
qui, sáb: 9h – 22h (entrada até 21h)
fechado às segundas / entrada gratuita
Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Parque Ibirapuera

por: Laerte Galesso

Comentários

Novidades

Artigos

Entenda como funcionam os Softwares Photoshop, Illustrator e InDesign

Muita gente tem dúvida sobre a utilização de cada um desses softwares, então rapidamente vamos te explicar as principais diferenças de usabilidade de cada um deles.

Notícias

Conheça os módulos complementares do curso de D.I para Agosto e Setembro

A partir do dia 06 de agosto, a ABRA irá oferecer diversos módulos que fazem parte do conteúdo completo do curso de Design de Interiores.

Notícias

Conheça o que há de melhor na CASACOR 2019

Quem for conferir a mostra poderá ver projetos inovadores que dialogam com o conceito Planeta Casa, tema desta edição. Afetividade, memória e tecnologia também são pilares desta...

veja mais