Museu do Ipiranga - veja alguma de suas obras mais icônicas Academia Brasileira de Arte -

No dia 7 de setembro, para além do Dia da Independência, também foi comemorado o seu bicentenário. Pensando neste dia, desde 2019 tivemos a reforma do Museu do Ipiranga (que estava fechado desde 2013), que é um dos principais símbolos da data. Pois agora, quase 10 anos depois, ele voltará a ficar aberto para o público, com muitas novidades. 

Anteriormente, destacamos alguns dos principais artistas que têm obras presentes no Museu do Ipiranga. Agora mostraremos algumas das pinturas mais importantes que vocês podem encontrar no imenso acervo com mais de 450 mil peças. 

Reformas no Museu do Ipiranga

As reformas feitas no museu, foram necessárias pelo péssimo estado de conservação que o mesmo se encontrava, mas ele não foi o único a precisar de intervenções. Isso porque diversas pinturas do museu também precisaram passar por restaurações.  

Destas, um total de nove obras do Salão Nobre foram para o restauro, sendo elas: 

  • Príncipe Regente Dom Pedro e Jorge de Avilez a Bordo da Fragata União (1922), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Retrato de José Bonifácio de Andrada e Silva (1922), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Retrato de Dona Leopoldina de Habsburgo e seus filhos (1921), de Domenico Failutti; 
  • Retrato de Joaquim Gonçalves Ledo (1925), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Retrato de D. Pedro I (1925), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Retrato de José Clemente Pereira (1925), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Retrato de Maria Quitéria de Jesus Medeiros (1920), de Domenico Failutti; 
  • Retrato do Padre Diogo Antônio Feijó (1925), de Oscar Pereira da Silva; 
  • Sessão das Cortes de Lisboa (1922), de Oscar Pereira da Silva. 

Segundo o museu, o trabalho contará com uma equipe de 10 profissionais. Já sobre a operação, ela incluirá procedimentos como remoção de verniz, sujeira, preenchimento de perfurações, planificação, renovação de molduras, retoques, e, por fim, aplicação de vernizes de proteção. 

Além deles, o mais famoso quadro do museu, Independência ou morte, de Pedro Américo, também passou por um restauro, mas feito dentro do próprio museu. E será justamente por ele que começaremos a falar das principais obras que estão presentes lá. 

Independência ou Morte (1888) – Pedro Américo 

Começamos justamente com o quadro que é praticamente o símbolo do Museu do Ipiranga. E vamos destacar primeiro os restauros feitos nesta obra, pois ao contrário das demais, ela ficou no Museu do Ipiranga neste período. O motivo foi que, pelo impressionante tamanho (4,15m de altura e 7,60m de comprimento), movê-lo poderia prejudicar a pintura. 

Quem explicou em entrevista para o Metrópoles o que fizeram na obra, foi Yara Petrella, restauradora do Museu do Ipiranga que comandou a operação. Apesar de alguns ornamentos perdidos, ela explica que a moldura está em bom estado, com a madeira sem empanamento ou torção. Contudo, como eles não sabem a forma que o fixaram ali, optaram por não tirar ele dali. 

Sobre a pintura, ela detalhou qual foi o foco da equipe: 

 “A camada pictórica estava bastante alterada. Começamos fazendo uma pesquisa documental para ver o histórico de conservação desta tela, as intervenções anteriores. Utilizamos fotografias com luz ultravioleta, que é fotografar a tela em sala escura com a luz ultravioleta. O resultado identifica as intervenções que ocorreram na camada pictórica, na tinta”. 

Sendo assim, eles cuidaram de limpar as intervenções anteriores e reavivar as cores presentes na obra, especialmente no céu.  

Contexto da criação do painel presente no Museu do Ipiranga 

O pedido para Pedro Américo foi feito ainda em 1886, pelo conselheiro imperial Joaquim Inácio Ramalho, então presidente da Comissão do Monumento do Ipiranga. Em contrato ele teria três anos para pintar a obra, com a temática de Dom Pedro I proclamando a independência nos campos do Ipiranga. 

O artista fez minuciosas pesquisas da época, incluindo trajes, testemunhas do momento e estudando o movimento pela independência. No entanto, a obra não foi exposta pela primeira vez aqui. Sua estreia foi em 8 de abril de 1888, na Academia de Belas Artes de Florença.  

Após três meses, ela foi entregue ao governo paulista, mas apenas em 1895, na abertura do Museu do Ipiranga, que os brasileiros a viram pela primeira vez. Apesar de seu sucesso, a obra é considerada controversa pela imagem idealizada do momento. Alguns inclusive acusam ele de plágio com obras de outros artistas que retratavam momentos semelhantes na Europa. 

Porém nada disso impediu que ela se tornasse uma referência na representação deste momento histórico, inclusive em livros didáticos. 

Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro em 1500 (1900) – Oscar Pereira da Silva

 

Falamos de outra obra que precisou passar por restauro, mas esta foi retirada do local onde estava. Ela também conta com um tamanho impressionante 3,73m de largura e 2,31m de altura. Ao contrário do quadro Independência ou Morte, essa precisou de reparos também na moldura, que segundo Yara, estava bastante danificada. 

Ela também explicou outras coisas feitas na pintura: 

“Foi retirada a retelagem antiga, na qual foi utilizado um adesivo de cera de abelha. A tela foi toda limpa, retiradas as intervenções anteriores, todo o verniz, as sujidades. Ela ficou realmente muito bonita com as cores originais, livre de toda intervenção passada. Foi montada num novo chassi e a moldura acabou totalmente restaurada, porque havia muitos danos”. 

Já sobre a obra, ela não foi feita sob encomenda do Museu do Ipiranga, mas sim comprada por ele. Isso ocorreu dois anos após sua primeira exposição, que ocorreu em 1900. Ela retrata a chegada de Pedro Álvares Cabral onde atualmente está Porto Seguro e tornou-se referência da chegada dos portugueses aqui, inclusive também retratada em livros didáticos. 

Um fato curioso é que ela ficou um tempo exposta na Pinacoteca. Primeiramente o transferiram para lá em 1905 e depois ele retornou ao Museu do Ipiranga em 1929, onde está até hoje. 

Inundação da Várzea do Carmo (1892) – Benedito Calixto

A obra de Benedito Calixto traz um contexto diferente das demais, pois nela o que vemos é uma representação da cidade de São Paulo. Esta também não foi feita para o Museu, mas sim, comprada pelo governo da época em 1893. 

Sua importância o tornou um documento iconográfico da cidade. A explicação é que Calixto sempre buscou retratar com maior realismo possível as paisagens que pintava, tanto que muitas de suas obras foram feitas a partir de fotografias.  

No caso da Inundação da Várzea do Carmo, acredita-se que ele tenha feito a pintura a partir de uma visão do Pátio do Colégio, retratando a São Paulo do século XIX antes da modernização por conta do comércio de café.  

Suas grandes proporções (1,25 m de altura por 4 metros de largura), nos apresenta com riqueza de detalhes como era a cidade na época. Entre alguns destaques, temos a região onde fica a 25 de março ao centro, a construção onde fica o Mercado Municipal de São Paulo e ao fundo, uma vista panorâmica do Brás, depois do rio Tamanduateí. 

Retrato de Maria Quitéria de Jesus Medeiros (1920) – Domenico Failutti 

Esta foi uma obra encomendada pelo diretor do Museu Paulista, Afonso d’Escragnolle Taunay, no centenário da Independência do Brasil. O contexto para a escolha da imagem foi bastante curioso, pois ele se baseou em registros feitos por Maria Graham. Ela lançou o livro “Diário de uma viagem ao Brasil” com uma gravura de Augustus Earle, na qual a pintura é inspirada. 

Na época, Taunay atribuía a esses relatos de europeus que estiveram aqui, uma verdade documental. Ou seja, ao produzir obras inspiradas nelas, também estas seriam documentos históricos. Contudo, não era apenas este o motivo para se escolher a figura de Maria Quitéria para decorar o Salão de Honra do Museu Ipiranga. 

Esta obra, que tem o tamanho de 2,33 metros de altura por 1,33 metros de largura (e que foi outra que passou por restauro), está junto de outra com uma mulher em destaque: o Retrato de Dona Leopoldina de Habsburgo e seus filhos. Com isso ele queria criar um paralelo entre as duas pinturas em relação à formação nacional brasileira.  

Sendo assim, teríamos representados distintos lugares a serem ocupados pelas mulheres no imaginário nacional. Por um lado, a guerreira e, por outro, a figura materna. A obra traz uma paisagem de fundo idealizada, mas que remete ao recôncavo baiano, local onde Maria Quitéria participou dos combates. 

Falando sobre a representação dela, temos a farda típica do Batalhão dos Periquitos, que ganhou esse apelido devido à cor amarela nos punhos e na gola do uniforme azulado. Por fim, um detalhe que chama atenção é a insígnia de Cavaleiro da Imperial Ordem do Cruzeiro, distinção oferecida por Dom Pedro I àqueles que se notabilizaram no processo de Independência do Brasil. 

 

Aprenda pintura na ABRA 

Gostou destas curiosidades? E que tal se fosse possível fazer um curso acadêmico completo, com acompanhamento individualizado, no conforto e segurança de sua casa? O curso online “Pintura Acadêmica: Formação Completa” da ABRA é o mais completo no mercado. 

Conheça agora mesmo os benefícios e metodologia do curso clicando aqui e faça sua matrícula agora mesmo!

Autoria: Departamento de Pesquisa e Cultura ABRA

×

Curioso(a) para desvendar os segredos da Inteligência Artística? Nosso e-book exclusivo, "EXPLORANDO O MUNDO DA IA - INTELIGÊNCIA ARTÍSTICA," está repleto de insights e conhecimentos profundos sobre como a IA está transformando o cenário artístico.

Queremos compartilhar esse tesouro de informações com você!

Basta preencher o formulário abaixo para baixar o e-book e começar a jornada de descoberta:

Mas espere, há mais! Além de receber seu e-book, convidamos você a mergulhar em nossos cursos que abrangem a interseção empolgante entre a criatividade e a IA. Prepare-se para expandir seus horizontes e criar de maneira inovadora.

Não perca a oportunidade de explorar a IA e suas possibilidades artísticas. Preencha o formulário e desbloqueie o acesso ao e-book e ao mundo de criatividade que o espera!

×

Regulamento da Campanha – ABRA.ia – Inteligência Artística

ABRA IA – Inteligência Artística

Em uma era digital mergulhe na sua criatividade
Período 01/08/2023 até 30/09/2023

 

1. Bolsas de estudo integrais para indicações:

Os participantes que comprarem um curso presencial e indicarem outra pessoa que também efetuar a compra de um curso presencial serão elegíveis para receber uma bolsa de estudo integral para um curso rápido de sua escolha de acordo com disponibilidade de vagas e datas de início.
Tanto o participante que realizou a indicação quanto o indicado à bolsa de estudo. A bolsa de estudos será concedida após a confirmação do pagamento e matrícula dos dois participantes indicados. Os ganhadores receberão um comunicado da escola informando a disponibilidade da bolsa, assim como os cursos disponíveis e datas de início para a escolha. 

 

2. Compre e Leve: curso de História da Arte online:

Os participantes que adquirirem o Kit de material da ABRA terão como brinde um curso online de História da Arte. O curso online será disponibilizado em até 3 dias úteis após a confirmação do pagamento do Kit de material, a) caso a aquisição seja de um curso de história da arte, deve ser oferecido outro curso equivalente.

 

3. Desconto de 60% em todos os cursos online:

Durante o período da campanha, todos os cursos online terão um desconto de 60% sobre o valor regular.Os participantes poderão se inscrever em quantos cursos online desejarem com o
desconto aplicado. 

 

4. Compre um curso e ganhe outro:

Os 200 primeiros participantes que adquirirem cursos online, terão como brinde acesso a um segundo curso à sua escolha que deverá seguir alguns critérios que são: a) é limitado a 1 curso por pessoa b) a campanha se estenderá até atingir o número de pessoas da estipulado, não tendo prazo definido para encerramento c) caso no período de 60 dias correspondentes a campanha não atinja a quantidade de 200 participantes todos que adquiriram serão contemplados d) é de responsabilidade do participante acompanhar seu e-mail para receber as informações relativas à campanha e) a ABRA não se responsabiliza com a perda de informações enviadas f) o participante que não enviar a opção de curso até a data estabelecida terá seu benefício cancelado. g) o e-mail solicitando a escolha do seu próximo curso será enviado em até 7 dias úteis após a confirmação do pagamento do primeiro curso, através do e-mail disponibilizado na hora da compra h)O acesso ao segundo curso só será disponibilizado após o envio da escolha do curso que siga os critérios descritos neste parágrafo. i) o
prazo para receber o acesso dos cursos é 30/09/2023 j) lista com todos os ganhadores será disponibilizada apenas no fim da campanha. É de responsabilidade do participante acompanhar seu e-mail para receber as informações relativas à campanha. O prazo de resgate da oferta é de 60 dias.

 

5. Bolsa integral de curso online para ação social:

A cada curso presencial adquirido, a ABRA vai disponibilizar uma bolsa integral do curso online História da Arte para um aluno matriculado na rede estadual de ensino médio. A seleção dos alunos beneficiados será realizada em parceria com instituições de educação parceiras. As bolsas serão disponibilizadas ao final da campanha para a instituição de ensino escolhida.